Onda Pina – a poesia em movimento

18 11 2014

MNI_OndaPINA_CartazA4_1_p

 

Para assinalar o 71º aniversário do nascimento de Manuel António Pina (18 de novembro de 1943), o Museu Nacional da Imprensa convida as escolas, as bibliotecas, as universidades a aderir à Onda Pina através da leitura de poemas do autor, que nos deixou uma obra singular no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro.

Anúncios




Dia Mundial da Criança

1 06 2013

1950 – celebração do primeiro Dia Mundial da Criança. 62 anos após, continuamos a ouvir falar de crianças com privação de amor, carinho, saúde, alimentos, tempo para ser criança. Sem uma data fixa, em Portugal celebramo-lo a 1 de junho, já que durante o mês de maio se homenageia Maria, mãe de Jesus.

No poema Recreio, Miguel Torga mostra-nos como as crianças encontram a felicidade. Faz uma leitura e ficarás a saber:

Recreio                                                                                                                           play1

Chilreio de crianças numa escola.
Brincam no intervalo.
Largam da mão
O Pássaro da Ilusão,
E vão depois, felizes, agarrá-lo.

O mestre aquece os pés ao sol do Inverno.
Já foi também menino…
Mas cresceu,
Aprendeu,
E descobriu as manhas do destino…

Sabe que ele nos engana,
Seja qual for o oiro que nos dê.
O Pássaro da Ilusão
É uma ilusão:
Só a inocência o vê, porque não vê…

Que o Pássaro da Ilusão continue, também, a habitar o coração dos que crescem, para que não percam a inocência, e com ela, a capacidade de fazer as crianças felizes.

FELIZ DIA CRIANÇA!





Portugal na poesia de Pablo Neruda

3 09 2012

Pablo Neruda, grande poeta chileno, galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1971, dedicou este poema,  La Lámpara Marina, a Álvaro Cunhal  (prisioneiro político durante o período do Estado Novo, Secretário-Geral do PCP entre 1961 e 1992). Foi escrito em 1953 quando o dirigente do PCP esteva preso e se temia pela sua vida. Sobre uma Lisboa  prisioneira da ditadura salazarista, disse o poeta:

Foto: Sagres_MGT

Portugal,
vuelve al mar, a tus navíos,
Portugal, vuelve al hombre, al marinero,
vuelve a la tierra tuya, a tu fragancia,
a tu razón libre en el viento,
de nuevo
a la luz matutina
del clavel y la espuma.
Muéstranos tu tesoro,
tus hombres, tus mujeres.
No escondas más tu rostro
de embarcación valiente
puesta en las avanzadas del Océano.
Portugal, navegante,
descubridor de islas,
inventor de pimientas,
descubre el nuevo hombre,
as islas asombradas,
descubre el archipiélago en el tiempo.
La súbita
aparición
del pan
sobre la mesa,
la aurora,
tú, descúbrela,
descubridor de auroras.
Cómo es esto?
Cómo puedes negarte
al cielo de la luz tú, que mostraste
caminos a los ciegos?
Tú, dulce y férreo y viejo,
angosto y ancho padre
del horizonte, cómo
puedes cerrar la puerta
a los nuevos racimos
y al viento con estrellas del Oriente?
Proa de Europa, busca
en la corriente
las olas ancestrales,
la marítima barba
de Camoens.
Rompe
las telarañas
que cubren tu fragante arboladura,
y entonces
a nosostros os hijos de tus hijos,
aquellos para quienes
descubriste la arena
hasta entonces oscura
de la geografía deslumbrante,
muéstra-nos que tú puedes
atravesar de nuevo
el nuevo mar escuro
y descubrir al hombre que ha nacido
en las islas más grandes de la tierra.
Navega, Portugal, la hora
llegó, levanta
tu estatura de proa
y entre las islas y los hombres vuelve
a ser camino.
En esta edad agrega
tu luz, vuelve a ser lámpara:
aprenderás de nuevo a ser estrella.”

Pablo Neruda
Las uvas y el viento, 1954 (in Poemas de Obras, 3 ª ed., Buenos Aires, Editorial Losada, 1967)

Se preferires, podes ouvir o poema completo, excelentemente declamado pelo ator Tavares Marques, (apesar dos erros de tradução). A gravação foi feita durante uma homenagem prestada pelo PCP à memória de Álvaro Cunhal.





Concurso “Uma Aventura”

28 05 2012

Alguns alunos da nossa escola aventuraram-se, inscreveram-se e participaram ativamente no concurso «Uma aventura literaria».

A Madalena Rebocho, do 6.º A, concorreu na modalidade «poesia» e trouxe o prémio, conforme atesta a informação que está disponível no site do concurso:

Já agora, divulgamos o poema vencedor, enviado pela Madalena:

E já agora as fotos para a posteridade tiradas no dia da entrega do prémio, acompanhada pela dupla de escritoras, Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada.

PARABÉNS, MADALENA!

Parabéns também aos demais participantes!





SEMANA DO ARTESANATO

9 05 2012

De 2 a 9 de Maio, decorreu na BECRE, a Semana do Artesanato, um tributo aos muitos artesãos – alunos, professores atuais e professores aposentados, assistentes operacionais, encarregados de educação – que, nas horas livres, criam os seus artefactos, as suas obras de arte, dando a conhecer o seu espírito criativo e empreendedor. Na Biblioteca mostraram-se telas, artefactos em tecido e em EVA, rendas de cinco agulhas, bijutaria, velas artesanais, poesia como a que abaixo divulgamos com o pseudónimo autografado (no respeito pelos direitos de autor, foi solicitada autorização à autora/pintora):

Escusado será dizer que a agitação foi grande, principalmente nos intervalos. Com a aproximação do Dia da Mãe, muitos miúdos e graúdos aproveitaram para lhes adquirir um presentinho que as surpreendesse naquele dia, um presente da sua escolha, sincero, prova do seu amor.

No dia 4, às 18H45, aconteceu um workshop, aberto a todos os interessados, para demonstração da execução de artefactos em borracha EVA, uma mistura de alta tecnologia de Etil, Vinil e Acetato, borracha não tóxica que pode ser, e é, aplicada em diversas atividades artesanais. Como é fácil e engraçado trabalhar este material! Uma vez mais, para ser bem sucedido, basta empenho, criatividade e empreendedorismo.

A todos os artesãos envolvidos aqui deixamos o nosso MUITO OBRIGADO. Sem as suas peças não teria sido possível organizar esta mostra. A todos os que auxiliaram no atendimento do público e na vigilância dos espaços, fica o nosso apreço. A Biblioteca Escolar agradece, também, a todos os que com a sua compra, contribuíram para tornar mais rica a sua coleção de literatura.





DIA MUNDIAL DA POESIA

12 04 2012

Com o objetivo de incentivar o gosto pela leitura e pela escrita de poesia, o Plano Nacional de Leitura e o Centro Cultural de Belém, numa iniciativa conjunta, convidaram todas as escolas do país, públicas ou privadas, do 1.º Ciclo ao Ensino Secundário, a participar no Concurso de Poesia Faça lá um Poema.

Do Agrupamento foi enviado para concurso, na categoria de 2.º ciclo, um poema da autoria de Leonor Marques, intitulado, que abaixo transcrevemos: “Um Livro, um amigo”

Divulgamos, também, o outro poema participante que recebemos, para a mesma categoria. É autora, a aluna Laura Marques, que lhe chamou de “Irmã”:

A parceria PNL/CCB celebram, no dia 24 de março, o Dia Mundial da Poesia. Fazemos aqui a divulgação do programa das atividades comemorativas.





SONHAR É PRECISO

7 11 2010

Este é o vídeo do livro “La pez que sonreía”/” O peixe que sorria” de Jimmy Liao, um peixe fiel como um cão, mimoso como um gato e amante como uma esposa. É uma história encantadora, que envolve o leitor na sua trama: o peixe sorri e baila com o narrador no caminho de volta ao mar.

A criatividade de Jimmy Liao coloca a ilustração de mãos dadas com a poesia.

A adaptação da ilustração deste livro, concedeu ao autor, em 2006, o Prémio Especial da Melhor Curta-Metragem de Animação do Festival Internacional de Berlim.

Para ilustrar este vídeo, escolhemos o poema que transcrevemos:

Sonhar é preciso


Sonhar é sair pela janela da liberdade,
é vaguear pelos caminhos
proibidos ou não.
É, sem ter um rumo qualquer,
ter um alvo a perseguir:
a felicidade.
Sonhar é não limitar-se a limites
sejam eles quais forem,
impostos ou não.

É fazer do impossível o possível
quando e como quiser o coração.
Sonhar é viver o passado no futuro
e o futuro no presente.

É ter o se quer
e afastar o que não se deseja,
É despertar dentro de si
aquele ser criança.
É almejar a vida…

Pra sonhar não é preciso
ter passado, nem presente,
nem cultura, nem riquezas…
Pra sonhar não precisa fazer parte
de uma classe social
de uma faixa etária
ou de qualquer coisa que separe
um ser humano do seu semelhante
É preciso apenas ter esperança
pois sem esperança ninguém vive
e sonhar é viver…

Sonhar não é direcionar os pensamentos
ao que pode ser real
Mas sim tornar real,
mesmo que apenas na mente,
o possível e o impossível,
o real e o abstrato
o tudo e o nada
Num tempo e num lugar
a serem definidos
ao belprazer de quem sonha…

Sonhar é dar a própria vida
a um sentimento de bem-estar
e, sem restrições,
entregar ao coração as rédeas da razão.

É viver com quem se ama
sentindo-se amado.
Sonhar é sair…
É vaguear…
É não ter rumo.
É ter um alvo.
É não limitar-se.
É fazer…
É sentir…
É amar…
É ser amado…
É ter esperança…
É viver!
Sonhar é preciso!

Telmo
Fonte: http://www.lmc.ep.usp.br/people/tdeifeld/poesias/sonhar.html