Spider silk

28 11 2014
teia de aranha

Investigadores japoneses da Universidade de Shinshu desenvolveram uma seda muito resistente “spider silk”, mais forte e suave do que a seda convencional, ao combinar genes de aranhas e bichos-da-seda através de engenharia genética.

Masao Nakagaki, professor da Faculdade de Ciência Têxtil e Tecnologia daquela universidade, foi o primeiro a implantar, em 2007, genes de aracnídeos em bichos-da-seda, os quais produziram, posteriormente, esta seda, cujos componentes se encontram presentes nas teias de aranha.

Espera-se que este tipo de seda híbrida tenha aplicações em setores diferentes do têxtil, como no fabrico de fio cirúrgico e vasos sanguíneos sintéticos.

Fonte: DN Ciência
Anúncios




O português, a rede cósmica, as galáxias e uma descoberta

27 11 2014
david sobral astrofísico

O astrofísico David Sobral e a sua equipa descobriram que há uma estrutura invisível no universo que influencia a formação e a evolução das galáxias. Não se vê, porque é feita de matéria escura, mas sabe-se que a rede cósmica, uma espécie de esqueleto invisível do universo, está lá. Dito de forma simples, isto era quase tudo quanto se sabia sobre essa estrutura impalpável do cosmos.

Para chegar a esta conclusão, os investigadores focaram alguns dos melhores telescópios do mundo, incluindo o Hubble, na órbita terrestre, numa época do passado do universo, há sete mil milhões de anos – calcula-se que ele tenha agora 13,7 mil milhões de anos. Isso permitiu-lhes medir pela primeira vez a produtividade (em números de estrelas) das galáxias ao longo dos filamentos da tal rede cósmica, nessa era recuada. Os resultados mostraram que nas galáxias junto desses filamentos havia mais formação de estrelas do que nas galáxias mais afastadas. “Isso aponta para um papel ativo dos filamentos da rede cósmica na produtividade das galáxias”, resume David Sobral.

Fonte: DN Ciência




Onda Pina – a poesia em movimento

18 11 2014

MNI_OndaPINA_CartazA4_1_p

 

Para assinalar o 71º aniversário do nascimento de Manuel António Pina (18 de novembro de 1943), o Museu Nacional da Imprensa convida as escolas, as bibliotecas, as universidades a aderir à Onda Pina através da leitura de poemas do autor, que nos deixou uma obra singular no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro.