Livros-objeto

20 02 2014

17 de fevereiro, das 15H00 às 18H30, Martinho Torres, o escritor, o criador, o autor e o editor esteve na nossa escola, para nos apresentar a sua obra. Entrou de rompante na Biblioteca acompanhado pelo Rui Grazina da Divisão de Educação da CMS. Às costas trazia a sua guitarra, nas mãos, uma caixa com exemplares dos seus livros e dois painéis roll-up que identificavam a editora, Neoma Produções, Livros com Arte.

Richard Towers, pseudónimo de Martinho Torres, é considerado como uma das cinco melhores ideias nacionais no campo da inovação, o que o distinguiu como um dos mil portugueses mais promissores e engenhosos dos nossos dias.

Confessou-nos que desde muito cedo, sentiu a atração pelos livros e se deixou hipnotizar pela magia da leitura.  “Somos aquilo que lemos”, afirma.

Já foi professor de Português e Francês, mas outros valores mais altos se alevantaram e trocou a arte de ensinar pela arte da escrita e da música.

Pela Biblioteca passaram as turmas do 7.º D, 8.º D, 8.º E e 8.º F, que se deixaram seduzir pelas palavras do escritor e deixaram a admiração estampar-se nos seus rostos. Livros-objeto? Nunca tinham visto nem ouvido falar.

Acompanhado da sua guitarra, o escritor veio divulgar os seus três livros-objeto. Começou por se apresentar, dando-se a conhecer. Foi professor de Português e de Francês, mas a escrita é a sua atual atividade. Criou a sua própria editora, a Neoma Produções que suporta o seu projeto inovador. Com três livros-objeto publicados, o escritor contou que adotou um pseudónimo inglês, como rampa de lançamento no mercado europeu, levando o nome de Portugal além-fronteiras. Além da Europa, Martinho Torres está a negociar a sua comercialização quer no Brasil quer nos Estados Unidos.

O que são os livros-objeto? São livros incorporados num objeto do nosso quotidiano como um relógio, um espelho e um tabuleiro de xadrez. A singularidade deste tipo de livro transpõe o simples ato de ler, oferecendo ao leitor a oportunidade de o utilizar noutras situações do dia-a-dia, podendo pendurar o seu livro-relógio na parede da sala ou jogar uma partida de xadrez com os seus amigos no livro-tabuleiro. A história de cada livro inspira-se no próprio objeto que o suporta.

Dedilhando a sua guitarra e com a colaboração de alguns alunos para a leitura de pequenos excertos, Richard Towers apresentou cada um dos seus livros, fascinando aqueles que o escutavam.

A todos deixou uma mensagem inspiradora: acreditar que tudo é possível e, por muitas que possam ser as desilusões e os obstáculos que encontremos, existirão sempre outros caminhos que nos permitirão chegar ao topo, alcançar o nosso fim. Foi exatamente o que ele fez, quando ao se aperceber da dificuldade que sentia para concretizar a sua ideia em Portugal, procurou fazê-lo no estrangeiro, na Alemanha, onde foi recebido de braços abertos e obteve o apoio necessário à construção do seu sonho e do sucesso.

Os alunos mostraram-se agradados, surpreendidos por ver o nosso reflexo num livro cuja capa tem um espelho integrado ou por ler uma obra que tem um relógio funcional. Martinho soube, olhar para onde nunca ninguém tinha olhado, criar algo que nunca ninguém antes criara. Foi esse ver mais além e essa capacidade de persistência que o levaram a concretizar o seu sonho, um sonho que partilhou agradavelmente connosco na biblioteca da nossa escola.

As turmas tiveram, ainda, a possibilidade de adquirir um livro autografado pelo próprio Richard Towers.

O convite para a Semana da Leitura do próximo ano está feito. Falta apenas agendar as sessões com o Richard Towers.

Para melhor conheceres o escritor e o seu projeto,  vê o vídeo da responsabilidade do Canal THE NEXT BIG IDEA.

Anúncios




Cyberbullying

18 02 2014

texto_cyberbullying

O cyberbullying consiste na intimidação e violência psicológica contra uma ou várias pessoas de forma deliberada e continuada, com o propósito de prejudicar e/ou humilhar, através da difusão de informação, utilizando as tecnologias de informação e comunicação e a Internet. Um ataque de cyberbullying pode facilmente escalar, uma vez que as informações publicadas podem ser rapidamente partilhadas entre várias redes, multiplicando-se e tornando-se virais. As consequências de um ataque podem ser devastadoras, marcando profundamente a vítima e podendo, em casos extremos, conduzir ao suicídio.

O cyberbullying pode ocorrer e propagar-se através de emails, instant messaging, telemóveis, chats online, redes sociais, fóruns e blogues, entre outros.

Como podes evitar este tipo de ataque?

  • Nunca disponibilizar informação privada ou pessoal nem sobre terceiros na Internet;
  • Não fornecer palavras-passe a terceiros e garantir que não sejam roubadas;
  • Não adicionar estranhos à lista de amigos e não aceitar pedidos de amizade em redes sociais, se o conteúdo do perfil dessa pessoa provocar desconforto;
  • Manter os perfis em redes sociais e respetivos conteúdos privados.

O que deves fazer em caso de ataque?

  • Deves ignorar o ofensor e nunca responder ao ataque. O atacante quer causar reacções negativas, por isso deves contrariar a sua pretensão, não comunicando com ele;
  • Deves guardar registos dos ataques que foram feitos, juntamente com a data e a hora em que aconteceram para servir de prova;
  • Podes mudar de conta de utilizador/email, se simplesmente não quiseres voltar a ser importunado. Se o fizeres, tem cuidado e mantem-no privado;
  • Não deves ser condescendente com este tipo de ataques, mesmo que não sejas tu a vítima;
  • Deves denunciar o comportamento aos responsáveis pelos serviços online onde ocorreram essas práticas e/ou procurar aconselhamento junto do Centro Internet Segura (Linha AJUDA internet segura – 808 91 90 90)
  • Em casos extremos, deves recorrer à justiça. O cyberbullying é um crime, juntamente com a injúria, a difamação, a ameaça e a apologia a atos criminosos. Se a situação sair do teu controlo, deves informar as autoridades.

Põe fim ao cyberbullying!

dislike
Aprende a navegar antes que te apanhem! Navega em segurança!





La St Valentin

18 02 2014

corações

Para festejar o dia de S. Valentim e o amor, em língua francesa, e responder ao desafio que lhes foi colocado pela Professora Emília Amador, os seus alunos apresentaram trabalhinhos originais e com grande criatividade, que estiveram expostos na Biblioteca para que outros os pudessem apreciar e fruir.

corações1Depuis le IIIe siècle, le 14 février s’est transformé en fête pour les amoureux. St-Valentin , patron des amoureux, est en fait un prêtre mort martyrisé par les Romains, le 14 février 270.

À cette époque Valentin s’attira la colère de l’empereur Claude II qui venait d’abolir le mariage, car il trouvait que les hommes mariés faisaient de piètres soldats parce qu’ils ne voulaient pas abandonner leur famille.

Valentin encourage alors les jeunes fiancés à venir le trouver en secret pour recevoir de lui la bénédiction du mariage. Il fut arrêté et emprisonné. Pendant qu’il attend son exécution dans sa prison, Valentin se prend d’amitié pour la fille de son geôlier et lui redonne la vue. Juste avant d’être décapité, il lui offre des feuilles en forme de COEUR avec le message suivant : DE TON VALENTIN!

Aujourd’hui, le jour de la Saint-Valentin , le 14 février , est considéré dans de nombreux pays comme la fête des amoureux. Les couples en profitent pour échanger des mots doux et des cadeaux comme preuves d’amour ainsi que des roses rouges qui sont l’emblème de la passion .

http://www.st-valentin.ca/origine.html





Guia: 13 passos para um Facebook seguro

14 02 2014

Privacidade no Facebook

A privacidade no Facebook é importante. Consulta os passos essenciais para assumires o controlo da tua página e saber como reagir quando alguma coisa te fugir ao controlo.

1. Cria listas de amigos e grupos
Avaliar o tipo de informação que se pretende partilhar e com quem é fundamental. Pretendemos mesmo mostrar todas as publicações aos nossos colegas de escola/trabalho e, em simultâneo, aos nossos amigos mais próximos? No Facebook é possível criar listas personalizadas, limitando tudo o que se partilha. A página
“Como criar uma nova lista para organizar os meus amigos” oferece todos os pormenores sobre o assunto.

2. Familiarize-te com as definições de privacidade
As definições de privacidade do Facebook ajudam a controlar quem pode ver as publicações e a forma como nos conectamos a outras pessoas. Consulte regularmente estas
definições.

3. Confirma a forma como os outros veem o teu perfil
No Facebook podemos verificar exatamente como tanto o público como uma pessoa em específico veem a nossa cronologia usando a ferramenta
“Ver como”, disponível nos atalhos de privacidade.

4. Vê o teu registo de atividade
O Facebook tem um
registo de atividade que está apenas disponível para consulta do próprio utilizador. É aqui que se consegue ver e controlar a privacidade dos conteúdos publicados.

5. Confirma qual é a tua audiência antes de publicar
No Facebook há a possibilidade de
escolher com quem se partilha um conteúdo – Amigos, Amigos dos Amigos, Público… – antes de publicar uma atualização.

6. Pensa antes de fazer um tag e verifique que tags te fazem
Através do registo de atividade é possível verificar todos os tags e removê-los, se for caso disso. Porém, usando a opção “denunciar” é simples pedir que sejam efetivamente removidos.

7. Não partilhes a tua password
Para manter a conta protegida, é elementar não se partilhar a password, mas o Facebook dá mais  dicas de segurança sobre como, por exemplo, escolher uma password forte, alterar uma password ou configurar a conta para que ninguém possa aceder sem um código.

8. Aprende a bloquear pessoas
Se alguém te incomoda no Facebook basta ativar a opção “bloquear”, disponível em cada perfil. Além disso, há também a possibilidade “O que é que posso fazer para alguém deixar de me incomodar?”, no canto superior direito. Ao bloqueares alguém não poderás contactar mais essa pessoa via Facebook.

9. Aprenda a usar as ferramentas de denúncia 
Se alguém está a violar as normas comunitárias do Facebook ao publicar conteúdos abusivos é possível fazer-se uma denúncia.

10. Pede aos teus amigos para eliminarem conteúdos
Se alguém publica algo como uma foto embaraçosa mas que não viola as regras do Facebook é possível recorrer às ferramentas de denúncia social
aqui.

11. Conversa sobre segurança online
Os pais devem conversar sobre segurança online com os filhos desde cedo e de forma regular. Uma das melhores formas de iniciar o diálogo é perguntar se acham o Facebook importante. Além disso, os pais podem mostrar-lhes como definem a sua privacidade na rede social, bem como discutir o que é apropriado partilhar – ou não. Mais dicas? Clica
  aqui.

12. Fica atualizado na página Facebook Safety
A página
Facebook Safety funciona como uma conversa sobre segurança online em que todos podem participar.

13. Conhece o Centro de Segurança Familiar
Para os pais, professores e adolescentes que procuram conselhos sobre segurança online foi criado o
Centro de Segurança Familiar. Porém, também há muita informação no Centro de Ajuda do Facebook.

in Dinheiro Vivo, 14 fev.2014





Segurança na Internet – a password

11 02 2014

password





Ondas gigantes na Nazaré

9 02 2014

No vídeo que te disponibilizamos, podes admirar a beleza e a força da natureza que Garrett McNamara filmou durante a sessão de surf nas ondas gigantes da Nazaré.
No post, que o surfista escveu na sua página do Facebook, McNamara chama a atenção para a imagem «bizarra» e deixa o seguinte comentário: «Ok, tens esta onda monstruosa a vir em todas as direções contra as pessoas minúsculas no farol e eles ficam ali como se nada se passasse. O que tu farias???».

Vê tu também:





Crianças online: aprenda a protegê-las

9 02 2014

internet

A maioria das crianças e dos jovens entre os dez e os 15 anos usa a internet regularmente e sem o controlo dos pais. A principal utilização é para pesquisa de informação escolar. Mas as redes sociais, chats e blogues aparecem logo a seguir.

Aprenda a protegê-los com estas dez dicas.
1. Instalar um software de controlo parental, que bloqueie páginas por palavras-chave e impeça o acesso a conteúdos inapropriados, tal como material sexualmente explícito;

2. Bloquear publicidade pop-up e a instalação de certos tipos de ficheiros;

3. Ensinar regras de segurança, tais como: não ir ao encontro de alguém que se conheceu online sozinhos e em lugares pouco frequentados e não utilizar o nome completo em redes sociais;

4. Usar um programa de geração e armazenamento de palavras-chave, para evita a anotação das diversas palavras-chave (não convém usar a mesma em vários sites);

5. Colocar o computador num espaço público da casa, como a sala, para perceber a utilização que as crianças estão a fazer da Internet;

6. Supervisionar e acompanhar as crianças nas redes sociais, principalmente se não tiverem fortes dispositivos de proteção;

7. Se houver motivo de preocupação, acompanhar o histórico para perceber que tipo de utilização foi feita pela criança;

8. Estabelecer regras e limites razoáveis acerca da utilização do computador e da Internet (exemplo: tempo de utilização);

9. Manter uma boa comunicação com as crianças, para que estas possam pedir ajuda sempre que tenham dúvidas ou se sintam desconfortáveis.

in Dinheiro Vivo, 8fev2012