A bicicleta que tinha bigodes

30 04 2012

A bicileta que tinha bigodes, da autoria de Ondjaki, foi a obra vencedora do Prémio Bissaya Barreto de Literatura para a Infância 2012. A obra tem a chancela da Caminho e foi considerada a melhor entre 263 outros títulos, apresentados a concurso por 48 editoras nacionais e um autor, a título individual.

Eis o que Ondjaki escreve no seu blogue:

essa fogueira de sermos meninos

o corpo deste texto é um abraço de amizade e de saudade:

ao luís bernardo honwana – esta minha Isaura é em homenagem à tua…; obrigado pela tua voz, pelo Cão Tinhoso, pelos olhos da tua Isaura;

e ao manuel rui – tu sabes: (quase) todos nós, dos anos 80, somos um pouco a ficção e a realidade do teu “Quem me dera ser onda”; obrigado pelo teu olhar também, em voz de contar e de dizer as nossas brincadeiras de rua, mais as estigas nas bermas da nossa língua toda desportuguesa…

não há como fugir ao que tem de ser dito: escrevemos em busca da voz que mais nos fala por dentro. ajustando a vida (a escrita?) às “falas do lugar”. escrevendo para lembrar o que ainda não tinha sido contado…

vos agradeço, vos abraço: em criança como agora, eu andava em busca das vossas estórias para fingir e acreditar que os livros sempre inventam essa fogueira de sermos meninos à volta dela…

ondjaki

Anúncios




Grupo RH leitor

30 04 2012

Todo el mundo me dice que tengo que hacer ejercicio. Que es bueno para mi salud.

 Pero nunca he escuchado a nadie que le diga a un deportista: tienes que leer.

                                                                                             José Saramago





Against the grain

30 04 2012

Jonathan Chong, animador australiano, dá vida ao lápis com este vídeo com que participou no Melbourne Indie-Folk Artist Hudson.
Impensável, não?





Nascimento de um livro

30 04 2012




MaisLivros

30 04 2012

A Biblioteca dá-te a conhecer as suas mais recentes aquisições. Estão já disponíveis para empréstimo.
Vodpod videos no longer available.





Semana do Artesanato

26 04 2012

artesanato, arte manual, realizações, produtos com alma, cores mil, habilidades, criatividade, talentos, evasões, terapias

O dia 3 de maio é o Dia do Artesão. Como habitualmente, para o celebrar, a Biblioteca Escolar da Escola-sede do Agrupamento, realiza uma mostra de peças artesanais, da autoria de todos os membros da comunidade escolar que nela queiram participar e nela queiram dar a conhecer as suas habilidades e os seus talentos.

Aqui deixamos, pois, o convite a todos os interessados. Solicitamos, apenas, que nos façam chegar as peças que desejarem expor, até ao dia 30 de abril, devidamente identificadas e marcadas, para uma possível venda.

Informamos que, como habitualmente, 10% do valor da verba que se realizar, reverterá a favor da Biblioteca desta escola, para aquisição de livros/DVD’s ou equipamentos necessários, quer ao crescimento do seu fundo documental quer da melhoria dos serviços que prestamos.

Fica, também, aqui o convite, à comunidade educativa em geral, e aos pais/encarregados de educação, em particular, à visita deste espaço, entre os dias 2 e 8 de maio.

Para ilustrar esta atividade, numa reutilização do já criado, revisitámos o post divulgado na Cyberteca no dia 5 de maio de 2010 e recuperámos o cartaz para divulgação, em que se deu destaque ao galo de Barcelos, um dos expoentes máximos do artesanato português.

Decorrerão atividades de artesanato e workshops temáticos. Se estás/estiver interessado, fica/fique atento(a) ao calendário que, oportunamente, disponibilizaremos.

Participa, traz as tuas criações! Visita-nos! Esperamos por ti/por vós!





REVISTA DIGITAL “25 de abril – revolução dos cravos”

25 04 2012

   O Instituto Camões disponibiliza, agora, em formato digital (pdf), o volume n.º 5 da Revista Camões que dedicou, em 1999, à Revolução dos Cravos, aquando da comemoração dos 25 anos do 25 de abril.

  Clicando sobre o link, acedes à página do Instituto Camões, onde poderás fazer o download dos artigos que integram este número da Revista Camões:

  “25 anos de quotidiano diferente” de Cecília Barreira;

  “25 de abril: o cinema e o mundo” de José de Matos-Cruz;

  “A 25 anos de distância” de Francisco pinto Balsemão;

  “A BD e o 25 de abril: um outro olhar” de João Paulo Paiva Boléo;

  “A música em Portugal: instituições e protagonistas no último quartel de século” de Mário Vieira de Carvalho;

  “A «Seara Nova» e a revolução de abril” de António Reis;

   “As mulheres na clandestinidade: a minha experiência” de Zita Seabra;

 “Chovia em Santiago: a breve epopeia de Salvador Allende” de Maria João Martins;

 “Cronologia do 25 de abril” de autores vários.