ENCONTRO COM … A DR.ª INÊS AMARAL

16 04 2010
 

 No passado dia 16 de Abril de 2010, contámos com a participação da Dra. Inês Amaral, Técnica de Reinserção Social e colaboradora da CPCJ de Oeiras como Gestora de Casos, numa sessão de esclarecimento acerca da intervenção das comissões de Protecção de Crianças e Jovens e da sua articulação com diferentes parceiros, em especial como a comunidade educativa.

Os trabalhos da sessão iniciaram-se com uma breve explicitação do enquadramento legal do Sistema de Protecção em Portugal e dos seus diferentes níveis de intervenção, sublinhando-se a orientação do Princípio da Subsidiariedade que define que a intervenção deve ser efectuada sucessivamente pelas entidades com competência em matéria de infância e juventude, onde a comunidade educativa se insere como instituição de primeira linha, e só depois de esgotada a intervenção destas entidades se deve avançar para a intervenção das comissões de protecção de crianças e jovens e, em última instância, dos tribunais.
Seguiu-se uma apresentação das diferentes modalidades de intervenção das CPCJ (modalidade alargada e restrita) e das diferentes medidas de protecção e promoção aplicadas pelas comissões, a saber:
  • Apoio junto dos pais;
  • Apoio junto de outro familiar;
  • Confiança a pessoa idónea;
  • Apoio para a autonomia de vida;
  • Acolhimento familiar;
  • Acolhimento em instituição;
  • Confiança na pessoa seleccionada para a adopção ou na instituição com vista a futura adopção.
Foram definidos os conceitos de maus-tratos, negligência, risco e perigo, permitindo-nos uma melhor conceptualização das situações merecedoras de sinalização às CPCJ, ao mesmo tempo que foram explicitadas diferentes formas de sinalização e a melhor forma de articulação entre a Escola e as CPCJ. No final, foram trabalhados dois casos práticos de menores em risco, o que permitiu uma importante reflexão sobre a singularidade de cada processo e sobre o papel que a escola e os seus intervenientes podem ter na detecção de situações emergentes e até mesmo como travão de ciclos perturbadores.
Seguiu-se um animado debate, onde o público (professores, direcção, equipa de educação especial, serviço de psicologia) teve espaço para expor as suas preocupações e dúvidas, reflectir sobre situações passadas e presentes, e afinar novas estratégias para problemas futuros. Desta activa reflexão, sublinhou-se a preocupação com crianças e jovens com Perturbações do Comportamento, indagando sobre as respostas que a comunidade educativa pode avançar… Ficou lançado o repto para um novo encontro onde estas questões possam ser pensadas.

Todos saímos enriquecidos, se encontramos respostas que nos abrem novas dúvidas.


Ações

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: